permuta-ao-trocar-de-imovel

Toda negociação imobiliária costuma gerar algumas dúvidas, seja sobre a melhor localização, seja sobre com qual imobiliária negociar e, quando não é o primeiro imóvel comprado, se vale a pena fazer uma permuta.

 

É pensando nessa última questão que a Roque resolveu elaborar um conteúdo para te ajudar a tirar as dúvidas e ter mais certeza nas suas escolhas. Então: vale a pena utilizar um imóvel usado como forma de pagamento ao comprar imóvel?

 

Esse tipo de dúvida costuma ser rodeado pelas amplas possibilidades e também pela falta de compreensão do mercado imobiliário, comum não apenas para quem não costuma investir no setor ou está no início da sua jornada, mas também para quem já tem um imóvel próprio. Acompanhe o conteúdo e veja como você pode comprar imóvel em Limeira da melhor forma.

 

O que é a permuta nas negociações imobiliárias?

 

Começamos pelo princípio, certo? Afinal, o que é uma permuta? Assim como em outros tipos de negociação, como a compra de um carro, por exemplo, a permuta é quando um bem físico é utilizado como parte do pagamento em um novo bem.

 

No mercado imobiliário essa permuta pode ser caracterizada por um imóvel de igual ou menor valor, seja um terreno, uma casa ou um apartamento, seja um carro ou outro tipo de bem.

 

É importante ressaltar que a permuta não será, necessariamente, aceita dentro da negociação. Apesar do bem possuir seu valor de mercado e poder, sim, ser usado como moeda de troca, ele deverá ser aceito pelo vendedor.

 

Nesse caso é importante que, na proposta de compra, seja apresentado com detalhes o bem que pretende-se utilizar como permuta, com seu valor de mercado, características, estado de conservação, dentre outros.

 

Com essa apresentação o vendedor poderá confirmar o interesse em aceitar o bem como parte do pagamento ou não. Ter isso em mente é essencial para que negociações não dependam exclusivamente da permuta, ou correm o risco de não avançarem e você precisar buscar outro imóvel para iniciar a negociação do zero.

 

Leia também: Como funciona a venda de imóveis com permuta.

 

Principais formas de pagamento na compra de um imóvel novo

 

Vale ressaltar que a permuta é apenas uma das formas de pagamento na compra de um imóvel. Confira todas elas a seguir e lembre-se: elas podem ser usadas combinadas, na maioria das vezes.

 

Fundo de Garantia

Por lei você pode utilizar do seu Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, ou FGTS, para a compra de imóveis ou reformas e ampliações imobiliárias. Esse aporte costumeiramente é utilizado como entrada nas transações imobiliárias. 

 

Financiamento Bancário

Esse costuma ser o principal meio de compras imobiliárias, principalmente quando se trata do primeiro imóvel. As instituições financeiras cedem um empréstimo ao comprador, para fechar a negociação, em troca de alienar o imóvel ao banco até a quitação do financiamento. Para ser financiado, porém, o imóvel precisa ser averbado e ter a documentação em dia, além de uma aprovação de crédito padrão do comprador.

 

Carta de Crédito e Consórcio

Esta forma de pagamento se assemelha ao financiamento e é inclusive ofertada por bancos. Nesta modalidade o comprador pode utilizar uma carta contemplada para o pagamento do imóvel. A carta pode ser adquirida previamente e ser utilizada após ser “disponibilizado” seu crédito pelo consórcio.

 

À Vista

Essa forma permite explorar mais as possibilidades de desconto e dá maior poder de compra ao negociador, já que o recebimento do valor terá um trâmite muito menor em comparação aos demais.

 

Financiamento Próprio

Diferente do financiamento bancário, essa modalidade é ofertada pelas construtoras ou loteadoras, que possuem recursos próprios e estrutura para fornecer financiamento próprio na compra de seus produtos. A tramitação, por sua vez, é muito similar aos financiamentos bancários, mas costuma ter menos burocracia. Todavia, preste atenção às taxas de juros.

 

Permuta, financiamento ou compra do imóvel à vista?

 

Neste momento você já deve ter uma boa noção dos cenários, certo? Entender e conhecer todas as possibilidades é um dos primeiros passos que você deve dar rumo ao fechamento do contrato do seu novo imóvel em Limeira.

 

Entender, então, qual a melhor alternativa na hora de trocar de imóvel permeia um processo muito particular, mas a gente pode levantar alguns cenários e você poderá ver o que mais se adequa à sua realidade:

 

Possui um imóvel próprio, bom relacionamento com o banco e não possui dinheiro para comprar à vista.

Este tende a ser o cenário mais comum entre os compradores do segundo imóvel. “Possuir um bom relacionamento com o banco” não significa apenas ter o nome limpo, mas sim utilizar recursos do banco, como cartão de crédito, investimentos vinculados à conta corrente e uma boa movimentação financeira. Isso permitirá que você consiga um financiamento com taxas de juros menores e, talvez, um percentual menor de entrada.

 

Com base nesse cenário, você pode fazer um comparativo das possibilidades do imóvel usado: ofertá-lo, ainda assim, como parte do pagamento na compra de um novo; mantê-lo alugado para que gere renda e possa cobrir (total ou parcialmente) o valor do financiamento; anunciá-lo para venda e usar os valores recebidos para amortização do financiamento.

 

Possui um imóvel próprio, bom relacionamento com o banco e possui dinheiro para comprar à vista.

Nesse cenário, vale a premissa de que quanto menos juros, melhor. Com isso, a recomendação da Roque é buscar opções que aceitem seu imóvel como permuta e pagar o restante do valor do novo lar à vista, se for o caso.

 

Dessa forma você não precisará de um financiamento imobiliário, tão pouco irá alienar seu imóvel ao banco e aguardar o fim do financiamento para  passá-lo para seu nome.

 

Possui um imóvel próprio, não possui dinheiro para comprar à vista e tem um relacionamento mediano com o banco.

Nesse cenário você deve considerar que um “relacionamento mediano” significa que você poderá ter dificuldades para obter um financiamento que cubra o valor do seu imóvel novo, mesmo com a permuta.

 

Com isso, você pode ter que vender seu imóvel para facilitar as negociações.

 

Como avaliar meu imóvel para oferecê-lo como permuta?

 

Certo, você analisou os cenários e percebeu que talvez seja mais viável vender a sua propriedade em vez de tentar usá-lo como permuta? É importante você entender que o processo de venda de um imóvel pode ser longo, dependendo das características e da avaliação do bem.

 

Um ponto muito comum é o proprietário adicionar ao preço do imóvel um percentual de “valor emocional”. Para evitar isso, o ideal é confiar na análise de um profissional.

 

Na Roque, você conta com avaliadores especializados ao decidir anunciar seu imóvel, bem como diversas outras vantagens, como divulgação eficaz, time qualificado no mercado imobiliário, suporte integral durante o processo de compra e venda, entre outros.

 

Ao buscar a avaliação separe toda a documentação do imóvel, mantenha-o organizado e possibilite o acesso do avaliador a todos os ambientes, para que ele consiga ter um panorama geral do seu imóvel.

 

Veja como fazer um negócio seguro no mercado imobiliário de Limeira

 

Independentemente da sua realidade, é imprescindível o auxílio de uma imobiliária para efetuar esse tipo de transação. Isso porque, tecnicamente, a compra de imóvel com permuta envolve duas vendas, já que o bem permutado passará para outro dono. 

Além disso, este panorama de avaliação de cenários será feito pelo consultor imobiliário em uma conversa sincera e direta, focada na sua realidade e nas suas possibilidades.

Você quer manter o imóvel para formar um patrimônio, está tendo dificuldades em encontrar vendedores que aceitem a permuta ou não possui bom relacionamento com o banco? Todos esses cenários serão levados em consideração em uma consultoria imobiliária. Não se aventure sozinho no mercado imobiliário, conte com a Roque.